terça-feira, 27 de agosto de 2013

Chamada para Encontro de Verão de 2013



É com satisfação que convidamos para a 4a. Roundtable de 2013 do Núcleo Granja Viana da Fundação Joseph Campbell. O encontro será realizado: 

Data: 16 de novembro (sábado)
Horário: das 14h às 17h

Local: Igreja Santo Antonio (Rua Santo Antonio, 486 (km 24 da Rodovia Raposo Tavares, sentido São Paulo›Cotia). Acesso pela Rua José Félix de Oliveira (Entrada pela secretaria localizada na lateral da igreja, em frente ao Banco Bradesco).

Palestrante
Jorge Miklos, graduado em história, é doutor em Comunicação e Semiótica e mestre em Ciências da Religião pela PUC/SP. Atualmente é professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Midiática da Universidade Paulista (UNIP) e vice-presidente da Comissão de História do Instituto Pan-Americano de Geografia e História (IPGH), da Organização dos Estados Americanos (OEA), no Brasil. É autor do livro "Ciber-Religião: A Construção de Vínculos Religiosos na Cibercultura" (Editora Ideias e Letras).

O que faremos 
Neste quarto e último encontro do ano, discutiremos a parte IV do livro As Máscaras de Deus -- Mitologia Ocidental (Editora Palas Athena). Ela compreende o capítulo A Idade das Grandes Crenças (a partir da página 323), bem como a conclusão da obra.

O evento é gratuito, mas solicitamos a doação de um quilo de alimento não perecível por participante para o espaço paroquial. 

A Joseph Campbell Foundation, com sede na Califórnia, também nos pede para lembrar nossos membros que doações para manutenção deste programa mundial são bem-vindas. Para doar, acesse diretamente o site por meio do link http://www.jcf.org/new/contribute. 

Para aqueles que vierem pela primeira vez, recordo que o objetivo do grupo é o de estimular os estudos de mitologia e religião comparada a partir da perspectiva de Joseph Campbell (1904-1987), mitólogo norte-americano considerado como um dos maiores estudiosos dessa área no século 20.

Favor confirmar presença para o e-mail nucleogranjavianajcf@gmail.com até dia 14 de novembro. Como sempre, fiquem à vontade para encaminhar esse convite para outros interessados no tema, destacando apenas que devem confirmar presença previamente por meio do mesmo e-mail.


Atenciosamente,


Monica Martinez
Coordenadora do Núcleo Granja Viana da Fundação Joseph Campbell
nucleogranjavianajcf@gmail.com
www.twitter.com/fjosephcampbell 

domingo, 11 de agosto de 2013

Encontro de Inverno com Jorge Miklos

O historiador Jorge Miklos
“Nossas gavetas mentais de Ocidente e Oriente não funcionam para ler este texto”, disse o historiador Jorge Miklos na palestra que proferiu no dia 10 de agosto durante o Encontro de Inverno, a terceira Roundtable de 2013 do Núcleo Granja Viana-SP da Fundação Joseph Campbell. Nesta reunião, discutimos a parte III do livro As Máscaras de Deus -- Mitologia Ocidental (Editora Palas Athena). 

“É que este texto, que abrange mil anos de história – do período persa de 539 a.C a 331 a.C. à ascensão e queda do império romano, em 476 d. C. –, relata os trânsitos e os encontros das civilizações indo-europeia e semitas”, explica o vice-presidente da Comissão de História do Instituto Pan-Americano de Geografia e História (IPGH), da Organização dos Estados Americanos (OEA), no Brasil. 

Num primeiro momento, o da expansão do império persa, nem Dário I, o grande (550 a.C. — 486 a.C., derrotado em Maratona em 490 a.C.), ou, dez anos depois seu filho Xerxes I (519 a.C. — ca. 465 a.C.), vencido na batalha de Salamina, conseguiriam dominar a Grécia.

Já durante os períodos do helenismo (331 a.C. a 323 d.C.) houve o que Campbell chamou de “casamento do Oriente com o Ocidente”, no sentido de ter havido uma forte expansão da cultura grega para o mundo oriental. “A verdade é que somos mais orientais do que supomos”, diz Miklos, que é doutor em Comunicação e Semiótica e mestre em Ciências da Religião pela PUC/SP. 
Os 23 participantes do Encontro de Inverno de 2013

Um aspecto importante deste período de mil anos, na perspectiva das tradições indo-europeias,  é a tendência ao sincretismo religioso, tendo havido em geral mais tolerância por parte dos povos invasores com relação aos deuses cultuados localmente do que a imposição de seus próprios panteões de deidades. 

Neste sentido, a ênfase no monoteísmo seria uma tradição mais ligada aos povos semitas, até que o Constantino (2872 d.C. – 337 d.C), imperador  do Império Romano do Oriente, adotasse o cristianismo como religião oficial.
Lu Oliveira, a fotógrafa deste encontro

Outro aspecto destacado por Miklos é a nova visão do profeta Zoroastro, que teria vivido entre 1.000 a.C ou 500 a.C., que daria origem ao dualismo ético, no qual o mito da criação passa a ser explicado pela origem, seguida da queda – quando a escuridão e falsidade penetram no mundo – e posterior redenção. Isto porque nesta tradição mitológica duas forças contrárias – Ahura Mazda, da luz, e Angra Mainyu, das trevas – forjam e sustentam o mundo. Na visão de Zoroastro, essa divisão, que influenciou o judaísmo, o islamismo, o cristianismo e ainda influencia fortemente as crenças contemporâneas, tem um final feliz com a vitória de Mazda. Diferentemente das religiões de origem semita, não é o ser humano que desencadeia esta queda, não havendo, portanto uma culpa a ser carregada – e redimida.

Para acessar o habitual vídeo-resumo da palestra, clique aqui.  


Por Monica Martinez
Coordenadora da JCF Mythological Roundtable® Núcleo da Granja Viana-SP (Brasil)*
http://fundacaojosephcampbell.blogspot.com
www.facebook.com/monicamartinezbr